Falando em Terapia

O que é preciso saber sobre a depressão

A dor da depressão não se agita e não grita, mas está lá, muda e invisível aos olhos dos que não a sofrem.

Acometido por ânimo entristecido, sentimento de um abismo infinito, extinção do desejo, impressão de entorpecimento o deprimido enfrenta uma tristeza profunda marcada por manifestações de medo e desânimo.

Compartilhe

A depressão não deve ser confundida com o sentimento de tristeza resultante de acontecimentos temporários. A tristeza tende a não se prolongar e, de um modo geral, não é incompatível com uma vida normal. Já a depressão envolve estados, afetos e sintomas de natureza penosa, desgosto, preocupação e inibição geral. Caracteriza-se por uma tristeza profunda acompanhada de medo e afeta de modo significativo o rendimento no trabalho, a vida familiar, escolar e social em geral, causando grande sofrimento. 

A depressão manifesta-se na forma de sentimento prolongado de abatimento acompanhado de aborrecimento e irritabilidade, sensações de aflição, preocupação, receios infundados e insegurança, diminuição da energia, fadiga e lentidão, perda de interesse e prazer nas atividades diárias, perturbação do sono e do desejo sexual, sentimento de culpa e de autodesvalorização e alterações da concentração, memória e raciocínio. 

Nas formas mais graves, a depressão pode surgir sem relação aparente com acontecimentos traumáticos da vida e pode durar indefinidamente. Nas formas mais ligeiras, a intensidade do sofrimento é menor e permite a manutenção das atividades diárias, embora à custa de fadiga, tristeza, desinteresse e desgaste físico, emocional e mental. 

Embora produza grande sofrimento e perdas pessoais e sociais, a depressão é um desses males que costumam passar despercebidos, já que seus sintomas podem ser atribuídos ao estresse, a causas neurológicas e, muitas vezes, o senso comum atribui os seus sintomas à mera preguiça e à falta de empenho na vida, acreditando que, para curar-se, basta o deprimido obrigar-se a se mexer. 

Ocorre que é impossível para o deprimido simplesmente fazer um esforço de vontade para sair da depressão. Isso não funciona, até porque a depressão atua justamente no desligar da vontade para as atividades da vida. Ou seja, a depressão, conforme já apontou Freud, é uma inibição das funções do ego relativamente ao trabalho, à locomoção, à nutrição, ao sexo, etc., por meio da retirada inconsciente da libido, do desinvestimento no objeto do desejo. 

A depressão é um modo específico de defesa inconsciente às pulsões por meio da renúncia das atividades como forma de escapar ao conflito com o desejo que busca canal de realização justamente nas atividades, ou seja, renuncia-se para não ter de exercer a repressão das pulsões, repressão essa que seria outro modo de defesa contra as pulsões. 

E há ainda outra renúncia em jogo na defesa depressiva: ao renunciar às atividades, o inconsciente busca defender-se da autopunição ao qual o deprimido se submeteria se ousasse realizar as atividades em questão. É como se o deprimido não pudesse fazer certas coisas, pois elas lhe trariam vantagens e êxitos, o que, inconscientemente, lhe é proibido. Então, a renúncia a essas realizações funciona como mecanismo psíquico para evitar mais esse conflito consigo mesmo. 

Porém, o quadro depressivo vai um pouco mais além em sua complexidade, pois a depressão envolve também ocorrência de angústia em duas direções: de um lado, como uma espécie inconsciente de alerta para inibir a pulsão desejante e, de outro lado, como forma de prevenir o embate da autopunição pela realização das atividades sentidas como proibidas. Ou seja, essas angústias produzem no psiquismo uma espécie de descarga que busca desligar os desejos. É por isso que corriqueiramente costumamos dizer que a contraface da depressão é a ansiedade. [O que é a ansiedade e o que fazer com ela>>]

Mas, o nível de complexidade da depressão segue um pouco mais além com a presença de mais dois ingredientes, sendo um deles a culpa. O deprimido costuma cobrar-se por não estar fazendo o que a vida em sociedade lhe impõe, de modo que a cobrança explícita ou velada que as pessoas próximas eventualmente fazem sobre o deprimido chega a ser, na maioria das vezes, bem menor que a cobrança do próprio deprimido sobre si mesmo, produzindo nele variados graus de culpa que, por sua vez, retroalimenta a angústia. 

Outro ingrediente da depressão é a raiva, sendo ela o componente mais velado, já que ele aparece de modo indireto. O êxito da defesa depressiva é o desinvestimento no objeto do desejo, ou seja, a renúncia das atividades é a renúncia do investimento libidinal sobre o objeto do desejo, o que equivale à perda do objeto, que é sentida como desamparo. E, primordialmente, o desamparo é percebido psiquicamente como abandono. Ou seja, o deprimido desinveste o objeto e, paradoxalmente, sente-se abandonado por ele e, desamparado, sente medo e raiva.  

A depressão, esse mal, que é silencioso e invisível aos olhos dos outros, muitas vezes fazendo do deprimido objeto de preconceito, precisa ser cuidado para que não se prolongue por anos e até mesmo por toda a vida. 

Compartilhe

CLICK
Acesse os sites da nossa Clínica e dos nossos Psicacnalistas

Elizabeth Sbrana

José Teotonio

Leia também...

Mesmo quando o paciente apresenta outras queixas, a ansiedade costuma aparecer na lista dos desconfortos que ele enumera já nos primeiros atendimentos...

O que o paciente vai encontrar quando resolve iniciar um processo de análise?...

Quando a gente padece de dor psíquica, geralmente as pessoas à nossa volta demoram para perceber e oferecer apoio...

O início do tratamento pode proporcionar algum conforto, mas somente o prosseguimento da análise poderá trazer resultados mais profundos...

O paciente fala de seus problemas, suas dores e aflições, suas alegrias e desejos e o psicanalista o escuta. Isso é realmente eficaz?...

Morar em um país estrangeiro implica questões psíquicas que podem acarretar sofrimentos, chegando até a inviabilizar o projeto...

Devido ao isolamento social, as análises passaram a acontecer quase que exclusivamente em ambiente online, o que fez muita gente refletir sobre sua eficiência...

A responsabilidade pelo sofrimento psíquico é uma questão delicada e precisa ser abordada caso a caso...

Eu sei que preciso muito de análise. No começo era bom, mas de repente parece que fazer as sessões virou um sacrifício...

Por José Teotonio...

Freud parte de observações patológicas para chegar a uma teoria do narcisismo primário e faz referência ao mito de Narciso como um jovem que preferia sua própria imagem a qualquer outra...

O que há de semelhante entre escrever e ler poesia ao falar e escutar na clínica psicanalítica? Esta é uma reflexão com base no conceito freudiano do sonhar e em conceitos de teoria literária...

Conforme Freud, em “Interpretação dos Sonhos” – 1900 – uma das condições para que se dê o trabalho do sonho é o afrouxamento da vigilância do pré-consciente...

O que dizer da melancolia a partir de Freud? Teria Aristóteles alguma razão em relacionar a melancolia a um estado de criatividade do indivíduo, e não somente ao adoecimento?...

Compartilhe

Rolar para cima
Abrir bate-papo
1
Olá.
Podemos ajudar?